quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Na varanda

0 comentários


adoro essa música... :D

Na varanda
(O Teatro mágico)

Na varanda
Onde o ar anda depressa
Vai embora na conversa
Nossa pressa de ficar

Na varanda
Onde a flor se arremessa
Onde o vento prega peça
Nos traz festa pelo ar

Na varanda
A criança se debruça
Mãe, menina ainda fuça
Nos cabelos a ninar

Na varanda
Onde a lua se levanta
Nossa rede se balança
Serenata pra acordar

Joga a trança
Busca o chão e não o céu
Qual barquinho de papel
Sonha ir de encontro ao mar

Joga a trança...

E a noite vem
Sendo o descanso do sol
E a ponte vem
Sendo a distancia de quem tá só

Um sol
Com a cabeça na lua
A lua que gira, que gira, que gira...

E a noite....

Um sol
Com a cabeça na lua
A lua que gira, que gira, que gira só.
...

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

New York, I love you

0 comentários


Depois de "Paris, te amo", chega em cartaz "New York, I love you".
Um pouco diferente dos moldes do filme sobre a cidade luz, retrata cenas comuns ambientadas em NY, mostrando como a cidade pode surpreender com sua mistura de nacionalidades, culturas, religiões, idiomas e formas de ver o mundo. O elenco é repleto de famosos (dentre eles: Natalie Portman, Orlando Bloom, Ethan Hawke, Kevin Bacon e Christina Ricci) e as histórias tendem a se misturar umas as outras, diferente de "Paris, te amo", que tinha um curta de cada diretor.
O filme está em cartaz nos cinemas do Grupo Estação, e vale a pena conferir.

:D

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Shimbalaiê

0 comentários


Essa música é tão bonitinha

:D

A menina na garrafa

0 comentários



A garrafa era clara
Dava para ver o que havia do lado de fora
A menina, na garrafa que boiava pelo oceano,
Fechava o olhos e sonhava que, de vez em quando,
Era ave, pelicano que comia peixe e saia voando
Ela cola o nariz no vidro e respira embaçando o mundo
Desenha o próprio nome e retorna lá pro fundo
A garrafa era longa, comprida
A menina olha para o gargalo tapado com rolha e fita
O seu desejo é que escutem tudo o que ela tem pra contar
As aventuras, o barulho do mar,
Todos os barcos que ela viu naufragar
Ela grita, agita a garrafa mais que as ondas
Mas a voz não sai, fica ali presa, ninguém pode ouvi-la
A menina sabe que um dia vai desaparecer,
Sumir de repente – puff –
Ela pega o papel e a caneta que guarda no bolso para se distrair
E escreve uma carta destinada a qualquer ser que possa existir
Deixa escrito no papel tudo o que conhecia
As tempestades, as ondas imensas, os piratas que velejam,
Os monstros marinhos que os marinheiros diziam que existia.
Se a Terra era redonda ela não podia saber
Seu mundo era cilíndrico, pequeno e,
Ao mesmo tempo, vasto e móvel
Ela nunca esteve no mesmo lugar por mais de uma maré
E, terminando seu relato, no final daquela carta
Decidiu deixar também um pedido:
- Leia e jogue ao mar
Porque, assim, a menina sempre existirá
Trancada ou não em uma garrafa
Com ou sem a esperança de voar.

Leila Monteiro de Castro

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Galeria de valores

1 comentários


Já tem um tempo que passei por lá com alguns amigos, para fazer hora enquanto não começava a visita guiada pela "Nova Arte Nova" do CCBB e, me impressionei em como essa exposição é interessante. Ainda não tinha comentado dela por aqui por falta de tempo, ou memória... ou os dois. O acervo mostra todos os tipos de moedas usadas ao longo da História, em diversas partes do mundo. Além disso a estética da galeria é muito legal. Achei o máximo o chão de vidro cheio de moeda embaixo (uma pena não poder fotografar).

A exposição é permanente do Centro Cultural Banco do Brasil e ainda é "de grátis"!

Vale a pena conferir.

:D

Corte Seco

0 comentários


Peça que finaliza a trilogia iniciada pelo monólogo "Conjugado" (que não assisti) e seguida pelo "A Falta que nos move" (que é fantástico!).
Fala sobre acontecimentos que podem mudar tudo de uma hora para outra. Aquela pessoa que você conheceu, aquela perda, aquele segredo que não deveriam ter te contado, um acidente que mudou seu mundo, tudo o que vai além do que nós podemos controlar, enfim... cortes secos que a vida nos dá.

A peça está em cartaz até 31 de Janeiro no Espaço Cultural Sérgio Porto (que fica na Rua Humaitá, 163 - Humaitá), sex e sáb às 21h e domingos às 20h. O valor é R$30,00 a inteira... mas nesse último domingo custou apenas R$1,00, então é legal se informar antes e saber se há mais alguma promoção por lá.

Vale a pena conferir! :D

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Pernas de Chinês

2 comentários

Senta aqui e cruza as pernas
Estica as costas nessa parede branca e descascada
Tenho uma música na cabeça, quer ouvir?
Talvez você também saiba uma canção
Que fale de amor, chuva e poesia
Que fale de sorte, destino ou devoção
Só quero ouvir a sua voz no meu ouvido
Me conta aquele conto da Colasanti
E deixa esse instante existir
Nem sempre a gente faz o que dá vontade
Já vivemos tanto e sabemos
Que isso tudo ainda é pouco
Sei que você queria ficar
Que acabamos de chegar a qualquer lugar exato
Mas quero ouvir seus passos sumindo no final da rua
E suspirar da janela quando o seu ônibus passar
O seu sorriso vai ficar pra sempre
E esses olhos de menino
Por mais que você cresça e o mundo te emudeça
E se um dia, por acaso, você esquecer
Existirão pistas por aí: nos muros, nas nuvens, nos Contos de amor rasgados¹,
Na constelação de Orion, no som do trompete ou do alaúde...
E isso manterá tudo vivo por aqui
Ou por qualquer outro lugar aonde a vida nos leve
Você sabe, meu bem, que nada é eterno
Mas, embora o tempo passe e tudo envelheça
Os nossos segredos serão sempre nossos
Não precisamos jurar ou cruzar os dedos
O seu olhar me diz tudo o que preciso saber
Me deixa apenas terminar esse conto
E segue assim, um pé depois do outro
Mais um pouco e a gente se esbarra de novo...

Leila Claudia Braga

¹ Contos de Amor Rasgados - Marina Colasanti.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Encontré por el camino

0 comentários
Para quem ainda não conhece o trabalho do cartunista argentino Liniers.
























:D