sábado, 3 de março de 2012

Daytripper!

1 comentários

Chega ao Brasil Daytripper! A Graphic Novel dos gêmeos brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá.
O elogiado trabalho, vencedor do Eisner (o prêmio internacional mais importante dos quadrinhos) compila 10 histórias sobre a vida do personagem Brás, escritor de obituários. Filho de um escrito brasileiro famoso, Brás também aspira a mesma carreira, embora o único emprego que tenha seja o de escritor de obituários e seu único livro publicado não chegue nem perto do sucesso do pai. Cada capítulo se passa em uma época diferente da vida de Brás. A sua infância, as paixões da adolescências, a perda de um ente querido, a convivência com o filho... e em cada um dos capítulos Brás toma uma decisão diferente, que muda sua vida, levando-o a uma morte prematura.

Daytripper, o mesmo nome da canção dos Beatles, trata sobre as escolhas que fazemos na vida, como uma atitude tomada naquele exato instante pode mudar tudo. E mostra como nem sempre as escolhas são fáceis. O nome do personagem principal faz uma alusão a Brás Cubas, o personagem de Machado de Assis que conta a sua vida a partir da morte.

Poético, divertido, de linguagem simples, a história leva facilmente a identificação com algum fato da vida, afinal se passa em vários momentos da vida de Brás, onde ele precisa optar por posturas diversas.

Como Bá e Moon ainda não fazem tanto sucesso no Brasil (o que é uma pena) só encontrei a HQ em inglês, na livraria FNAC. Não cheguei a pesquisar quanto a tradução da HQ mas possivelmente deve existir.

Fica a dica! :D

A criação do mundo [1] Mitologia Grega

8 comentários


Para a mitologia grega, no início do tempo, o deus Caos vivia sozinho em um completo vazio. Passaram-se incontáveis séculos até que Caos cansou-se da solidão. Alguns autores contam que primeiro Caos criou Nix (a noite) e Ébero (o dia), outros dizem que ele criou primeiro Gaia (a Terra). Esta cresceu e se tornou a base do mundo.
Em seguida, Caos gerou o reino de Tártaro, lugar imenso, sombrio e escuro, localizado nas profundezas. tão profundo que se do céu fosse lançada uma bigorna, ela demoraria nove dias e nove noites para chegar ao solo terrestre e mais nove dias e nove noites para alcançar o Tártaro. Se alguém caminhasse pelo Tártaro incessantemente, levaria um ano para chegar ao outro lado. É lá que a noite se abriga enquanto na superfície é dia, aguardando o entardecer para sair.



Gaia também auxiliou na criação do mundo. Criou Ágape, a Ternura, que trouxa a beleza criando o Céu, as Montanhas e o Mar.
Urano, o Céu, encobriu a Terra com seu mar azul e a desposou, dando origem aos doze titãs, três hecatonquiros e três ciclopes.

Os Titãs eram:

Oceanus, o rio que circundava o mundo;
Céus, titã da inteligência;
Crio, titã do frio e inverno;
Hipérion, titã do fogo astral e da visão;
Jápeto;
Cronos, titã do tempo, o rei dos titãs;
Febe, a titânide da lua;
Mnemosine, a personificação da memória;
Reia, rainha dos titãs;
Témis, encarnação da ordem titânica, das leis e dos costumes;
Tétis, titã do mar;
Téia, titã da visão e da luz, casada com Hipérion, deu origem a Hélio (o sol), Eos (aurora) e Selene (a lua).

Os hecatonquiros, irmãos dos titãs, eram criaturas dotadas de 100 braços (e segundo alguns autores, 50 cabeças): Briareu, Coto e Giges. Eram tão fortes que se arremessassem uma pedra faziam a terra tremer. Eram, portanto, os responsáveis pelos terremotos.

Os ciclopes, gigantes imortais que possuíam apenas um olho no meio da testa, eram os senhores do fogo e forjavam raios.

Em determinado momento, Urano, furioso com o mal comportamento dos titãs e hecatonquiros, os lançou no Tártaro para que fossem punidos. Gaia, que não queria a punição dos filhos, os incitou à revolta. Cronos, com a ajuda de Gaia, saiu do Tártaro e, forjando uma grande foice, voou pelos céus atrás de Urano. Ao encontrá-lo dormindo, o feriu gravemente, tornando-o incapaz de governar e de gerar outros filhos. Urano o amaldiçoou dizendo que o mesmo ato cometido contra o pai seria cometido contra ele pelos próprios filhos.
Cronos libertou os Titãs do Tártaro mas manteve os Hecatonquiros aprisionados, por temer a força dos irmãos. Oceanos não aceitou a traição contra o pai e se retirou. A deusa Noite para castigar Cronos, criou Tânatos (a morte), Apate (a fraude), Éris (a discórdia), Pesadelo, Nêmesis (a vingança) e outras divindades temíveis.

Cronos desposou Reia e juntos deram origem a primeira geração dos deuses do Olimpo: Héstia (deusa dos laços familiares), Deméter (deusa grega da agricultura), Hera (deusa do casamento), Hades (deus do mundo dos mortos), Poseidon (deus dos mares) e Zeus (deus do céu e regente dos deuses do Olimpo).


Temendo que a praga de Urano se tornasse real, Cronos ordenou a Reia que todos os filhos aos quais desse a luz fossem levados imediatamente até ele. E assim Cronos devorou Héstia, Deméter, Hera, Hades e Poseidon.
Reia esperava mais um filho e queria salvá-lo de Cronos. Aconselhada por Uranos e Gaia, ela escondeu-se e deu a luz a Zeus, deixando-o aos cuidados das ninfas. Voltou ao palácio de Cronos e fingiu estar dando a luz. Cronos aguardou que ela trouxesse o filho até ele. Porém, Réia levou a ele uma pedra enrolada em um pano, que Cronos engole acreditando ser o filho.


Zeus, ao atingir a idade adulta, retorna ao palácio para enfrentar o pai. Disfarçando-se de viajante deu a Cronos uma bebida que o fez vomitar os filhos que havia comido, e que agora já eram adultos. Cronos reuniu os titãs para enfrentar os rebeldes. Zeus, seguindo os conselhos de Gaia, libertou os Hecatonquiros do Tártaro, vencendo o pai e aprisionando os titãs novamente. O universo foi então partilhado entre os deuses olímpicos e Zeus passou a reger os demais deuses olímpicos.