domingo, 12 de maio de 2013

Domingos

2 comentários



Naqueles domingos em que o dia mal nasceu
e o sol já vai dormindo
e a noite vai caindo
e a lua vai surgindo
e o mundo gira sem destino
sem vontade girar

O que você quer é que o tempo corra
que o vento se agite
que algo se mova
(mais aqui dentro do que la fora)
não vê a hora de ir embora
mal sabendo aonde vai chegar

Mas a aventura da vida é essa
degustamos as vezes com pressa
ansiedade da surpresa que vem lá
e quando tudo se torna rotina
você pede que transborde o copo

E desfaça o nó
e espalhe o po
ainda que seja só
pra bagunçar um pouco
e nos encher de vida
Porque daqui a pouco o dia já vai se acabar.

Leila Monteiro de Castro

Só Dez Por Cento é Mentira (Manoel de Barros) - 2008

0 comentários


O poeta das pequenas coisas que me causa inúmeros encantamentos...

Esse documentário é ma-ra-vi-lho-so!




quarta-feira, 1 de maio de 2013

Dez (ou infinitas) coisas que não tem preço

2 comentários


1) O momento em que toca a sua música favorita, sem você estar esperando

2) Café com leite e pão com manteiga no fim da tarde

3) A beleza e a simplicidade de um pôr-do-sol

4) O som da risada dos seus amigos provocada pela piada que você contou, achando que ninguém ia rir.

5) Ver o mar pela manhã

6) Conseguir fazer alguma coisa nova já na primeira vez

7) Abraços sinceros, que abraçam a alma

8) Ser reconhecido pelo seu esforço

9) Saber que se é amado só pela maneira com que o outro te olha

10) Viajar e conhecer um lugar novo

                                  ∞




segunda-feira, 29 de abril de 2013

O Maravilhoso Mundo dos Livros-Objeto

2 comentários

Vocês já conhecem o livro-objeto?

Livro-objeto do artista Renato Alarcão

A ideia do livro-objeto transcende a ideia do livro em si, como conhecemos. Diferente dos livros tradicionais, estes são dotados de imensa expressão visual. Vão além do conteúdo literário: são verdadeiras obras de arte!
Os livros-objetos podem assumir qualquer forma, desde uma caixinha de fósforo até um pedaço de pão de forma, dependendo apenas da criatividade de seu criador. 
São produzidos em pequena escala, artesanalmente, e muitas vezes podem existir em apenas um único exemplar.


Livro-objeto "Dois Palitos", de Samir Mesquita.



Livro-objeto Pão, de Rosilene Fontes, 2007.

O livro-objeto também é para ser lido, mas de forma diferente. Possui uma interpretação que tende mais ao visual do que ao conteúdo literário, com imagens, desenhos, fotografias e colagem que remetem a ideias, histórias e sentimentos. Mas além de sua interpretação visual, alguns livros-objetos também podem conter palavras soltas, pequenas frases ou ainda pequenos textos, que se associam ao visual.



Fontes:

http://blog.zoomoo.com.br/2010/03/renato-alarcao-livro-objeto-e-ilustracao
http://rosifontes.blogspot.com.br/2011/01/livro-objeto-pao-2007.html






segunda-feira, 1 de abril de 2013

Coletivo Ócio

0 comentários


Nada melhor do que juntar as suas caraminholas com as dos seus amigos! 

E foi isso que nós fizemos... 

Quatro amigos que se juntaram para escrever sobre o que viesse na cabeça e surgiu um novo blog, onde também estou escrevendo no momento.

Fica aí o endereço do Coletivo Ócio!

Espero que curtam! :)

Rua deserta

1 comentários
imagem: http://www.panoramio.com

Tudo é tão quieto lá fora
Nenhum pio, nenhum ruído
Que possa nos perturbar

Um deserto imenso lá fora
Só o amarelo das luzes dos postes
Dos elétrons que zunem no ar

Tudo adormece lá fora
Nenhum ser vivo além de mim
Acordado para assistir o dia raiar

Tão frio e ermo lá fora
Aqui dentro o calor do seu sono
Que ressona pra me dispersar

Dá vontade de sair correndo
Ganhar essa rua que já é só nossa
Talvez de mais um cão ou dois

Não te dá vontade de gritar?
E ver todas as janelas da vizinhança
Acendendo uma por uma só pra espiar

E todo o caos urbano seria só nosso
Espólios da madrugada que já vai morrer
Sem ninguém pra nos vigiar

Talvez exista um gato ou dois
Que pule o muro e roce seu rabo peludo
Na sua pele morena, só pra

Tudo é tão distante lá fora
Antes do despertador tocar
Você sempre me abraça um pouco mais.

Leila Monteiro de Castro

domingo, 3 de março de 2013

Aniversário de 50 anos da Mônica

0 comentários

Esse ano a Mônica completa 50 anos e merece muita comemoração!

Confesso que adoro as revistinhas da Mônica até hoje e, como trabalho com crianças, aproveito para usar os quadrinhos em terapia. Eu tiro uma casquinha, né? Como não tirar? E como é gostoso ver que hoje em dia os pequenos morrem de rir, assim como eu morria de rir na idade deles, com as aventuras da turminha!

A personagem que foi inspirada na filha de Maurício de Souza começou a ser desenhada em uma das histórias do Cebolinha, em 1963. Aos poucos foi se destacando e fazendo sucesso até ganhar uma revistinha só dela. Ao longo do tempo o traço foi mudando, mas a personalidade brava continuou a mesma, assim como o seu inseparável coelhinho e seu vestidinho vermelho. Como não se encantar por essa menininha enfezada?

Hoje em dia a Mônica cresceu, assim como todos da turma, e até casou com o Cebolinha, nos quadrinhos da Turma da Mônica Jovem.




Eu prefiro as historinhas antigas, me divirto mais com as aventuras em que todos ainda são pequenos, mas fico feliz em ver que os personagens continuam tão queridos pelo público.

Alguns vídeos de comemoração do aniversário da nossa cinquentona já estão rolando na internet:



Parabéns, Mônica!

Combinado

0 comentários


Olha só o que aconteceu
Eu só acreditei porque eu estava lá
Você me olhou de um jeito tão seu

Foi então que você sorriu
E eu retribui só com o olhar
Mas você percebeu

Que a gente combina

Como pipoca no cinema
Nutella e maizena
Beija flor e açucena

Tarde fria e brigadeiro
Lisbela e o Prisioneiro
Água de coco em Fevereiro

Japonês e sushi
Banana e sagui
Peri e Ceci

Tequila com limão e sal
Sabre de luz no espaço sideral

E agora, estamos pelo mundo afora
Sem querer saber da hora
Vivendo para lá e para cá

O seu abraço me derrete
Você me prende igual chiclete
É muita sorte a gente combinar.

Leila Monteiro de Castro